Como redigir um CV: 8 dicas para quem se quer candidatar à sua primeira posição em tech

Jennifer Schneider e Harry Gooding

Se te estás a candidatar ao teu primeiro emprego no mundo da tecnologia, pode ser difícil saber como redigir um CV que faça sobressair os teus pontos fortes. Contudo, não é por teres pouca experiência e poucas competências digitais comprovadas (ou até inexistentes) que deves deixar de te candidatares. 

Há um gap no mercado de pessoas com competências digitais e isso significa que cada vez mais empresas aceitam candidatos sem experiência no setor. Aqui estão oito dicas para redigires o teu CV e para te ajudar a veres que és ideal para te candidatares a uma posição em tech.

1) Dedica algum tempo a pensar no layout do teu CV

O teu CV tem de captar rapidamente a atenção de quem o lê, porque essa pessoa pode ter recebido dezenas, quiçá centenas, de candidaturas para uma só posição! Por isso é muito importante que o teu CV seja de leitura fácil, mostrando claramente que tens as competências-chave que a empresa procura. Divide o teu CV em secções bem definidas e explora a ideia de usares colunas e caixas de texto para separar as secções. Não vais querer que a página pareça muito «cheia» com texto muito juntinho ou com letra demasiado pequena que não se consiga ler.

2) Adapta o teu CV de acordo com a posição a que te candidatas — especialmente em tech

Nem todas as posições em tech são as mesmas, nem se procuram sempre as mesmas capacidades. Pode parecer óbvio, mas adapta sempre o teu CV à posição exata para a qual te estás a candidatar. Quem recruta pode não dar seguimento à tua candidatura se achar que é demasiado genérica, ou que foi escrita para outra empresa. Tenta perceber que competências (especialmente técnicas) estão à procura e incorpora-as no teu CV.

3) Inclui uma pequena informação de perfil no início do teu CV

Pode haver uma série de candidatos com as mesmas competências técnicas que tu tens e, se te estás a candidatar ao teu primeiro emprego em tech, há a hipótese de outras pessoas terem mais experiência do que tu. Ao incluíres um perfil, podes demonstrar por que razão és diferente, podes mostrar quem és e como tens mais-valias para oferecer.

4) ...e, ainda melhor, uma carta de apresentação

Pode fazer uma diferença enorme se te deres ao trabalho de escrever uma carta de apresentação especificamente direcionada à função e à empresa. Não só serve para demonstrares que te importas, mas também te permite pormenorizar os teus feitos e as competências que mais te interessam. Além disso, só por ser uma posição em tech não significa que as competências técnicas sejam as únicas que interessam, especialmente se fores iniciante no setor. Uma carta de apresentação bem escrita pode evidenciar as tuas soft skills, como competências de comunicação, que podem compensar a falta de experiência.

5) Menciona atividades extracurriculares

A personalidade conta muito. Tens passatempos relacionados com tecnologia? Áreas de interesse especial? Não receies falar disso, especialmente se for relevante para a posição. Por exemplo, se tiveres feito parte de um clube de codificação, ou se tiveres criado uma app para ganhares dinheiro extra, diz! Estes pormenores são memoráveis e podem mesmo ajudar-te a sobressair para quem lê. Inclui estes elementos no teu perfil ou na tua carta de apresentação.

6) Melhora as tuas competências e destaca-as

Às vezes, quem recruta gosta de ver uma secção no CV que destaque os principais pontos fortes e competências pessoais. Isso pode ajudar imenso uma empresa a reconhecer «à primeira vista» a mais-valia que trazes. Pode ajudar-te também se incluíres soft skills que complementem competências técnicas que tenhas desenvolvido.

Se não tens muita experiência profissional em tecnologia, uma excelente forma de melhorar o teu CV é participares em pequenos cursos que te deem certificados. Há muitas plataformas online gratuitas com conteúdos de aulas reconhecidos e é uma forma de obter certificações.
 
Tal como com a carta de apresentação, não há nada melhor do que te dedicares à aprendizagem para mostrares a tua motivação, por isso, vale a pena procurares e completares um curso que seja relevante à posição a que te candidatas.

7) Destaca os resultados dos teus trabalhos anteriores

Embora quem recrute queira compreender a tua experiência profissional (mesmo que não seja em tecnologia), evita escrever simplesmente descrições generalistas de posições anteriores. Em vez disso, destaca o que tu em particular fazias, que resultados obtiveste e o que aprendeste.

8) Certifica-te de que o teu CV é claro para quem o lê

Depois de redigires o teu CV pede a alguém para o ler. Podem identificar com exatidão o que estavas a fazer de relevante para o teu perfil numa data específica? Por exemplo, que trabalho fazias em junho de 2020? O teu C.V. deve responder a isso, sem que seja necessário qualquer esforço extra da parte de quem lê. Tudo deve ser claro ao leitor à primeira-vista — se não for, altera e simplifica.
 
00

Artigos recentes