Como as empresas tecnológicas estão a enfrentar a crise climática

James Milligan, Global Head of Hays Technology

No que diz respeito à crise climática, existe um consenso de que estamos a ficar sem tempo para alterar o nosso rumo. Em termos de identificação de soluções, o setor informático será essencial se tivermos de reduzir e reparar os danos existentes, encontrando alternativas limpas ou adaptando os ativos técnicos para torná-los mais sustentáveis.

Com isto em mente, os líderes de organizações de tecnologias limpas e empresas empenhadas num mundo mais sustentável falaram com a Hays Technology sobre as suas histórias, desafios e objetivos.

Motivação e inovação

Em Espanha, a startup tecnológica ESUS Mobility foi nomeada para o top 10 das categorias do CleanTech and Industry Challenge na competição Super Connect for Good 2021. Esta história começou com a constatação de que, apesar de serem amigas do ambiente, as scooters elétricas não se adequavam às necessidades diárias. William Venturim, CEO, explica como os utilizadores de scooters elétricas em Valência viajavam com mercearias, encomendas e, por vezes, crianças – nada disso era seguro. A missão passou a ser fornecer veículos que satisfizessem as necessidades dos cidadãos modernos e que continuassem a funcionar com energia elétrica.

Um vencedor regional na mesma competição Super Connect for Good, a Electric Miles, sediada no Reino Unido, oferece soluções aos utilizadores de veículos elétricos (VE). Para o CEO e fundador, Arun Anand, a adoção de VE é um método eficaz para reduzir as emissões de carbono; também pretende garantir a eficiência e que os condutores não desperdiçam energia ao utilizar este tipo de transporte. Num evento Tech Founders ao vivo recente com a Hays Technology, Anand afirmou: «90 % do tempo, os veículos ficam na entrada parados... numa semana ou duas, se não mexer no veículo, a bateria esgota-se.

«Se ficar parado 90 % do tempo, pode tornar-se uma central elétrica móvel. Pode fazer muitas coisas inteligentes. Pode fornecer energia à sua habitação, à sua máquina de lavar roupa, louça - tudo enquanto está parado.»

Andy Gomarsall MBE, antigo vencedor do Campeonato Mundial de Rugby pela Inglaterra em 2003, atualmente é Presidente Executivo da N2S, uma organização que recicla e reutiliza equipamento eletrónico no Reino Unido. O objetivo da empresa é reduzir e-waste prolongando a vida de hardware tecnológico, com o intuito de criar uma economia circular. Utiliza uma analogia desportiva quando discute a sua motivação para liderar o negócio: «Mudar o jogo e fazê-lo para melhorar as gerações futuras. Não estamos a deixar este lugar em condições, certo? É isso que me faz sair da cama de manhã.»

Apesar de trabalhar na N2S durante há quase 12 anos, Gomarsall ainda encontra motivos para lutar por um mundo sustentável. Faz referência a um documentário recente sobre a vida em confinamento durante 2020: «É o filme mais notável que já vi e teve um grande impacto em mim. Na Índia, as pessoas iam para os telhados e, de repente, conseguiam ver os Himalaias porque o smog tinha desaparecido. Quando paramos e observamos o que a poluição fez ao nosso planeta temos este tipo de perceção.»

Utilizar a tecnologia para reduzir as emissões de carbono e a poluição

Graças a avanços tecnológicos, estão a ser feitos progressos para reduzir a poluição e as emissões perigosas como nunca. Porém, se esta tecnologia não for implementada corretamente, não vamos alcançar todo o potencial benefício.

Como podemos saber se estamos no rumo certo? Linian Li geriu o negócio da Modern Waterna Grande China durante mais de uma década, mas antes trabalhou e estudou no Canadá e na Europa. A Modern Water utiliza tecnologias de ponta, como inteligência artificial, para monitorizar a poluição em recursos hídricos. Li explica que existe maior procura pelo equipamento da empresa no mundo pós-pandemia, já que cada vez mais pessoas estão a acordar para a nossa realidade. Ao reconhecer que este é um problema global, a Modern Water tomou medidas para partilhar os seus conhecimentos e análises com o público para melhorar a qualidade do ambiente, especialmente em regiões em vias de desenvolvimento.

Reduzir a nossa dependência de veículos a gás ajudaria, comentou Anand. Devido aos hábitos dos consumidores e aos fatores económicos, é provável que a propriedade de VE esteja próxima a nível global? Quando lhe perguntaram sobre a possibilidade da adoção no sul da Ásia afirmou: «O mercado indiano é muito interessante, claro. Existem 1,4 mil milhões de pessoas. Alguma vez teremos 100 % de adoção de VE? Não. Nem pensem nisso, é a estratégia errada.

«Quem são os maiores poluidores da estrada em países como a Índia e a Indonésia? Temos autocarros e camiões - vamos eletrificá-los primeiro! Esqueçam o mercado de passageiros, é muito caro e não existem infraestruturas.»

Este é um problema mundial. Gomarsall, que deu esta entrevista enquanto percorria Londres numa bicicleta parcialmente elétrica, revela: «Tenho amigos com asma que, por vezes, não podem vir a Londres porque é muito mau. Quando começamos a saber mais sobre poluição do ar, percebemos que sete milhões e meio de pessoas de todo o mundo morrem todos os anos apenas por causa da poluição do ar. Isso é inaceitável - é de loucos!»

Aí, explica Gomarsall, é onde a N2S está a tentar ter um impacto positivo, mas não é fácil. «Temos um desafio no nosso mundo e no nosso ambiente, em que usamos combustíveis fósseis no front-end para obter energia e criar produtos e, no back-end, existe um equivalente de combustível fóssil. Existe poluição do ar prejudicial, poluição da água e uma grande procura dessas coisas. Os dois pontos são bastante negativos.»

Encontrar uma força motriz

«A curto prezo, as empresas de grandes emissões enfrentam uma maior pressão», refere Li. O cenário para a procura real na China desta tecnologia de eficiência energética é o sucesso das indústrias da China.»

Li também dá crédito aos organismos governamentais por conduzirem práticas de inovação e amigas do ambiente, «Como os organismos governamentais regulam a descarga de águas residuais das indústrias, cada vez mais empresas são obrigadas a adotar sistemas de tecnologia de concentração de salmoura como uma solução necessária para reduzir o seu impacto no ambiente.»

Gomarsall acredita que a aquisição por parte do governo é crucial. Sobre o tema do crescimento do negócio da N2S revela: «Existe um lobby a nível governamental porque o Reino Unido é o maior exportador de REEE (Resíduos de Equipamentos Elétricos e Eletrónicos). Essa é a nossa razão de ser - o nosso objetivo é tornarmo-nos a empresa de reciclagem mais ecológica para empresas tecnológicas B2B, empresas importantes e para o governo.»

A ESUS Mobility recebeu apoio da Câmara Municipal de Valência, tendo participado no programa acelerador Col·lab, o que lhes valeu um espaço de trabalho num edifício administrativo em Las Naves. Contudo, uma nova política também forçou a empresa a inovar - de uma forma totalmente imprevista. Venturim recorda: «A ideia da scooter familiar surgiu em primeiro lugar, mas, depois, a meio do nosso projeto, houve uma alteração nas leis aqui em Espanha que indicava que este tipo de veículo elétrico leve só podia ser utilizado por uma pessoa! Estávamos numa situação em que tínhamos um veículo com capacidade para duas pessoas, mas que só podia transportar uma. Tivemos a ideia de um veículo base com diferentes módulos de carga. Pode entregar encomendas, transportar equipamento para limpar as ruas, as suas ferramentas de trabalho, mercearias ou bagagem.»

Apesar de inadvertidamente, já não tinham um veículo apenas para uso pessoal, mas encontraram um novo mercado alvo de trabalhadores municipais, comerciantes e estafetas que poderiam utilizar transporte a gás.

O que se segue?

A tecnologia oferece soluções para criar uma cultura sustentável e amiga do ambiente e existe adoção. Li indica que a Modern Water aumentou a sua capacidade de produção para responder à procura crescente. Partilha que outro projeto da empresa passa por «criar instrumentos otimizados, mais pequenos e mais económicos que recolhem dados de forma eficaz para serem processados por modelos de inteligência artificial para fornecer resultados mais detalhados e mais rápido.»

Para uma startup como a ESUS Mobility, o futuro resume-se a desenvolver o seu produto para se adequar às necessidades do cliente e certificar-se de que a adoção é tão vasta quanto possível. Venturim e CMO, Fran Soriano, referem que estão a desenvolver tecnologia que permitirá que os veículos circulem em zonas para pedestres em segurança. Isto pode parecer rebuscado, mas, como Venturim salienta: «É um pouco difícil dizer o que é realista porque, por vezes, vemos coisas nas notícias que parecem ficção científica!»

Para Gomarsall e a N2S, o próximo passo é claro: «No setor em que me encontro, sempre referi que precisávamos de alcançar uma economia circular.

«Existem 62 metais num telefone - até essa tecnologia ser de material 100 % reciclado ou, pelo menos, estarmos a chegar a esse ponto, e até termos provas de toda a cadeia de abastecimento de todos os componentes dessa tecnologia, eu não pararei.

«Todos temos uma tarefa a cumprir - não interessa se é pequeno ou grande.»

00

Artigos recentes